Som D #5

quinta-feira, agosto 18, 2011

 Olá Sobreviventes!
 Ainda no rastro de rock deixado pela última edição do AlternaCast o Som D de hoje vai falar sobre My Chemical Romance; mais especificamente seu último álbum: Danger days: The true lives of the fabulous killjoys


 Este é o quarto e mais expressivo álbum da banda e o que fez mais sucesso tanto com o público quanto com a crítica.
 É, na verdade, o único que eu realmente gostei como um todo. Achei que a banda amadureceu bastante. Isso percebe-se pela música, que melhorou muito, e pelo estilo, que era um tanto pesado emo na minha opinião para uma banda de rock alternativo.
 Danger days é para mim um legítimo representante do que muitas bandas de rock hoje poderiam ter. Esses deviam estar no Rock in Rio.
 O álbum funciona como que contando uma história. É, resumidamente, uma gangue, os "desmancha prazeres" tentando salvar o mundo de uma indústria que vende "felicidade engarrafada". Não vou entrar em muitos detalhes, quem quiser pode pesquisar mais á respeito. Mas á meu ver, ele todo é uma grande crítica á sociedade atual, suas manias destrutivas e superficiais e também um  alerta a juventude.

Tô sendo chata ao encarar um álbum de uma banda com tanta seriedade? NÃO!
 Rock é isso aí, gente! É um grito de alerta na juventude, uma oportunidade de mudança!
 Meus parabéns ao MCR pelo grande álbum, considerado o melhor internacional desse ano, e pela mensagem.

 Vou deixar agora, para quem quiser conhecer esse trabalho da banda, minhas músicas preferidas de Danger days.
 O álbum tem quatro singles: Na na na, The Only Hope for Me Is You, SING e Planetary(Go!) mas minhas preferidas são:


Na na na
(Todos querem mudar o mundo, mas ninguém quer morrer. Quer tentar?)

Sing
(Cante, garoto, eles iram vender o que o amanhã significará. Cante, garota, antes que matem o que o amanhã trará.)


Save yourself (I'll hold them back)
(Eu vou dizer á todos vocês como a história termina. Bom, os bons morrem e os maus vencem [Quem se importa])

Destroya
(Eles não acreditam em nós. Mas eu acredito que nós somos o inimigo)


É isso aí. O rock vive!
Até a próxima, espero que tenham gostado!



6 comentários:

Andre Mansim disse...

Vou ouvir depois porque aqui nesse PC não tem som, mas a cara deles é de Restart gringo, hahahahahahhahahaha, se for vou techingar depois, ahahhahahahahahahaha.

Bento Sales disse...

Oi, Driele, sou faníssimo do rock, mas essa banda confesso que não a conheço ainda.

Depois de sua apresentação passarei a prestar atenção nela.

Abraços!

William disse...

Oi Driele,
O MCR é uma banda estranha e explico rapidamente: Em sua discografia, possui algumas músicas bem interessantes, bem trabalhadas e com uma sonoridade única que faz com a banda possua identidade, coisa muito difícil nos dias de hoje.
Em compensação, passa por músicas simplesmente horrorosas, de baixíssima qualidade e muito chata pra se ouvir.
Portanto, é uma banda que na minha opinião, não acrescenta muito ao rock, à música. Há bandas bem mais interessantes para se ouvir.
Porém, aqui é somente a minha opinião e não deve ser levada como regra, você sabe disso.
Beijo pra você e um ótimo final de semana.

Driele disse...

Bom, William, nunca fui muito chegada á banda tmb. Mas esse álbum foi uma exceção pra mim. Do MCR só gosto mesmo desse, q me impressionou pela mensagem, dos outros não vi muita coisa interessante.
Abç

Paulo Cesar PC disse...

Driele eu confesso não conhecer o trabalho da banda, qualquer comentário meu seria vazio por demais. Mais é admiravel o talento que você tem para variar assuntos no seu blog. É uma blogueira de primeira linha, não há dúvida em dizer. Um beijo grande no eu coração.

Lipe Moreiras disse...

Massa ;)

Postar um comentário